Aventura Sadomasoquista


Imagem

Aventura sadomasoquista .

Tenho 19 anos ,sou morena , e adoro um bom sexo e coisas diferentes ,vou conta aqui minha aventura como escrava sexual .

Tenho um colega que adora sadomasoquismo e me convidou se eu não queria realiza uma aventura com ele ,disse que tinha um certo medo ,mais que mataria minha curiosidade .Marcamos pra sexta a noite na casa dele
Me arrumei fiquei linda ,cheirosa e usava um vestidinho que marcava minha bela bunda , chegando em sua casa ele já me deu um beijo gostoso e entramos . Conversamos bastante ,rolou muita química ,fomos para o seu quarto ,me surpreendi com as coisas que me esperavam .Chicotes ,velas e vibradores . 
Ele me amarrou na cama , calou a minha boca , tirou minha roupa , começo a me masturba.
Usou o chicotinho em mim , aquilo me deu um tesão ,realmente eu gostava daquilo ,deixou marcas em mim ,e o tesão só aumentando.
ele mandou fechar os olhos e obedeci , senti algo queimar a minha pele ,era a vela , quase pedi pra parar ,mais sabia que não ia adiantar , aquela sensação de não poder fazer nada e ser a escrava de alguém me fazia delirar. Senti algo vibrando na minha buceta ,e era tão bom ,me deixava louca , não demoro muito eu gozei ,ele me torturava com o chicote ,me enlouquecia com vibrador , tive orgasmos múltiplos com aquilo tudo .
Era um misto de dor e prazer . Me pediu pra mamar seu cassete ,me fez engoli tudo até afoga . chupou a minha buceta tão gostoso ,me fudeu de 4 e eu delirando naquele cassete gostoso ,enquanto comia meu cu eu ficava com o vibrador na buceta e gozava loucamente. Depois de um tempo me fudendo ,ele me amarrou na cama ,e batia com o chicotinho. me torturava com o vibrador enlouquecia com aquilo ,me comeu muito em todas as posições e metia sem dó ,comia meu cu forte mesmo eu pedindo pra parar ali era sem pena , era dor e prazer ,desejo era o auge do prazer ,voltou a me fuder eu e gemia tanto uma verdadeira vagabunda safada , até ele goza na minha boca e eu engoli todo seu gozo ,foi uma das melhores noites ,meu dono ,o cara que me fez sentir coisas inesplicavéis , por uma noite eu fui o que eu queria, uma escrava sexual .

( Anonima )

O Garanhão


Imagem

 

 

O Garanhão.

Se tratava de um legítimo garanhão. De tamanho, postura, atitude, vigor, energia. Tinha quase 1,90 de altura. Magro. Atlético. Ombros largos. Marcado de músculos nos braços. Pernas grossas, sem exagero. As outras medidas, as mais importantes falarei depois. Eu ainda nem me apresentei mas é que falar dele é o melhor de tudo. Tenho 29 anos, 1,70, magra mas com alguma coisa em casa. Especialmente uma bundinha, bem redonda, durinha das horas que fico na academia, olhos negros, cabelo nos ombros, pele clara. Gosto de sexo. Muito.

Tinha namorado quando aconteceu o que quero relatar. Dois anos e meio de dedicação a ele. Pra encurtar: fui traída. O cara quis ser mais esperto, saiu de um motel onde fora com uma ?amiga? e foi num barzinho. Conhecidos flagaram e me ligaram na hora. Fui ao local. Estavam lá de amassos. Ele com a mão na coxa da outra. Vi, deixei que me vissem, fui embora. Tentei terminar tudo quando ele chegou em casa. Não consegui. Ele apelou. Dei uma nova chance.

Mas veio a vingança. Ocasional. Apenas duas semanas depois da traição. E inesquecível. Fui a uma festa de trabalho e vi o Leonardo, que trabalhava numa filial. Ele estava de terno, camsia sem gravata, sapatos lindos, um charme. Quando saí do banheiro me abordou. Fulminante me disse que tinha enlouquecido ao chegar e me ver naquele vestido vermelho, todo aberto nas laterais deixando minhas pernas a mostra. Aquele elogio foi um afago no meu ego que andava arranhado. Fiquei bamba. Já não estava acostumada a ser elogiada.

Me ofereceu carona. Eu estava de carro. Mas preferi deixar no estacionamento. Arriscando tudo naquele momento. Meu coração batia forte. Era um homem elegante, não falava muito. Atraente. Passava uma segurança impressionante, eu jamais tinha visto. Ocupava um cargo diretivo na nossa filial. Bem apessoado, bem vestido, cheiroso. Me perguntou se eu era casada. Disse que quase isso. Perguntou se eu era feliz e abri um flanco nesta resposta: ?já fui mais?, escapou da minha boca, sinceramente. E esta foi a senha. Minha última frase antes de tudo.

Me beijou ali mesmo. Diminuiu a velocidade, colocou uma mão na minha coxa e veio pra cima. Foi rápido, mas o suficiente para eu cambalear. Estava beijando outro homem, pensei. E gostando. Muito. Ele mudou o trajeto do carro, entrou no estacionamento de um shopping, no último andar, colocou o carro num canto escuro. E veio. Com tudo. Um ataque impressionante. Tinha um cheiro gostoso. Me beijou, lambeu meu pescoço, passou a mão no meu seio. E mudou de comportamento. Passou a ser contundente. Firme. Deixou a elegância de lado, mas não a sensualidade. Dominou todas as ações. TO-DAS. TO-DI-NHAS. E eu amei aquilo.

Ele era impulsivo. Homem mesmo. Meteu a cara no meio dos meus peitos. Me lambeu. Uma mão percorria a abertura de meu vestido. Me bolinava. E ele me beijava. Meu pescoço. Passava a língua na minha orelha. Na nuca. Pousou uma mão no meio das minhas coxas, por dentro do vestido, encostando na minha calcinha. Tremi. ?olha isso aqui?, puxou minha mão para cima da sua calça. Rocei. Senti uma ponta, dura, querendo sair para fora. Enquanto eu me decidia no que fazer ele mandou. ?Pega, bota na mão, vê o que te espera?. Vacilei. ?Então só abre a braguilha?, me ofereceu esta alternativa. Abri. ?Passa a mão na minha cueca?. Passei, a palma da mão, em cima do que eu imaginava ser a cabeça do pau dele, mas ainda por cima da cueca. ?Olha pra cá, olha meu pau?, ele disse. Olhei. ?Vai, te anima, bota na tua mão?. Pensei no meu namorado. Pensei no chifre que levei. Botei a mão por dentro da cueca. Foi bom.

Ele gostou. Arfou. Gemeu. Mas não perdeu o ímpeto de mandar. Senti um negócio robusto na minha mão. Estava quente, parecia quente. ?Bota pra fora, faz ele se soltar?. Eu sabia que se fizesse aquilo já não teria mais volta. ?Faz?. Eu nmão ia fazer. no primeiro momento não. “Faz”, repetiu. E fiz. Era enorme. A partir daquele momento entendi porque se tratava de um homem tão diferente. Seguro. Altivo. Decidido. Ele estava estirado no banco, a mão direita na minha bunda, já por dentro do vestido. De repente, empurrou seu banco ainda mais para trás. Sorriu. Ele estava certo que eu não resistiria a lhe dar prazer.

Entendi o que aquilo significava. Eu já segurava seu pau bem no meio. Beijava seu pescoço, mas espichava o olho para admirar. Era grande. Não descomunal. Mas grande. Mais de 20cm com certeza. Acho que uns 22. E grosso, especialmente grosso. Uma cabeça grande, redonda, vermelha. Tentadora, eu confesso. Para mim que estava acostumada a deixar meu namorado fazer mil estripulias na minha boca estar naquela situação era normal. Não fosse ser um homem que eu nunca tinha visto na vida e principalmente por não ser o meu homem. ?Chupa?, ele foi claro. ?Chupa o meu pau?, mandou. ?Chupa meu pau agora. Todo?. Eu não poderia imaginar aquela cena. Eu não iria chupar aquele pau. Rapidamente, decidi que não chuparia. Beijei a boca dele. Iniciei uma punheta. Beijei o pescoço, lambi seu queijo. ?Chupa?. Mas eu já havia decidido que não. ?Vai, chupa, você quer, teu namorado não te trata assim mas eu trato. Chupa. Chegou aqui, ta com o pau na mão, pulsando, chupa?. Eu não queria. OU melhor, não deveria. Estava louca para colocar na boca. Mas sabia que não deveria. ?Vou te bater uma bem gostosa?, escapou da minha boca. Foi quase sem querer, mas era a maneira de me livrar da pressão. E aumentei o ritmo. ?Chupa, tu vai chupar, nós sabemos?, ele interrompeu. ?Tu tem que chupar o pau de um homem de verdade, que manda em ti, te dá ordens. Eu quero teu boquete. A-GO-RA?, decidiu-se. Forcei na punheta. ?Posso te dar muito prazer assim?, tentei seduzi-lo, com voz de safadinha no ouvido dele. ?tu vai me dar muito prazer. Chupa o meu pau?, falou com todas as letras. ?Bota tua cara no meio das pinhas pernas?. Botei.

Abri a boca e fui engolindo aquele negócio. Fui até a metade. Voltei. Desci de novo. Subi, desci, subi desci. Olhei para ele, extasiado. ?Boa menina?, elogiou. ?Você sabe que eu vou gozar no teu rostinho?, me informou apenas. ?Lambe meu saco, minhas bolas?. Lambi. Lambe tudo. Passei a língua onde podia. Engoli uma bola, engoli a outra. Lambi. Voltei a chupar. Fiz boquete com punheta. Senti um dedo dele roçar meu ânus. Eu chupava. Senti o dedo entrar em mim, no meu cuzinho. E estava gostoso aquilo. Eu chupava, afundava a cabeça, e o dedo entrava um pouco mais. Eu tremia. E gostava. ?Quando eu gozar pode engolir, mas também deixa um pouco na carinha. Gosto de ver?, ordenou. É claro que eu não ia deixa-lo se acabar na minha há cara. Seria demais para um primeiro encontro. Continuei a chupar. ?Mais rápido?, ele insistiu. Acelerei. Agora põe a boca nos meus bagos?. Botei. Passa meu saco no teu rosto. Passei. ?Passa meu pau no teu rosto?. Passei. Passei mais ?Chupa só a cabeça do meu pau?. Chupei. Não sei porque mas eu gostava de tudo aquilo. Ele tinha um domínio sobre minhas ações. Incontrolável.

?Bota nos peitos?. NÃO, eu pensei. ?Bota, faz espanhola?. Será que ele gozaria? Seria uma esperança. Fiz. Abracei o pau dele com meus peitos. Subi e desci. Ele se esbaldava, vendo aquilo. Chegava a rir de tanto prazer. Eu fazia o pau dele desaparecer nos meus peitinhos de 250ml de silicone. E quando aparecia eu ainda dava uma linguada de presentinho. ?Isso?, ele aprovava. Foi um bom tempo de espanhola. Gostei. Era um pau grosso, encaixava bem. Naquele momento eu já pensava em como faze-lo gozar sem ser na minha boca. Não queria decepciona-lo, mas tinha de ser de outro modo. ?Chupa agora pra me fazer gozar?, determinou.

Chupei. ?Ah, gostosa, putinha, gosta de mamar num pau duro é? Toma, safada, engole meu pau, me boqueteia todo?. Encarei como elogios ?vai, chupa, chupa, chupa, chupa?, ele já estava arfando. ?eu quero garganta profunda?, ele pediu. Não fiz. ?Não entendeu, to mandando fazer garganta profunda. Afunda tua boca até os pentelhos?. “Nossa. Que educação”, pensei. E Fiz. Afundei minha boca. Até onde pude. Meu nariz quase encostando na barriga dele. E ele ainda empurrou minha cabeça pra baixo. ?GOSTOSA, GOSTOSA, GOSTOSA?, ele repetiu. Pensei que fosse ser ali mesmo. Mas não. Ele segurou. Não sei como. Fosse meu namorado já tinha gozado há horas, aliás, como gostava de se acabar na minha boca aquele filho da p…que me traiu!

?Eu quero gozar. Gozar todo na tua boca?, disse. Segui batendo punheta e olhando a ponta da cabeça. ?chupa, engole?. E eu na punheta. ?Chupa, engole meu pau?. Segui masturbando. Estava chegando. Senti que ele estava se entregando todo. Segundos me separavam do clímax. ?Pede o meu esperma?, mandou. ?Diz que tu quer a minha porra?, ordenou. ?Pede a minha acabada no teu rosto, eu quero que tu peça para eu gozar na tua cara. Pede?. Pedi. Supliquei, aliás. ?Goza Léo, goza na minha cara. Me lambuza, solta teu esperma, quero ver se tem porrinha aqui, tira ela do teu saco e atira na minha cara. Goza pra valer, vem, vem, vem?. ?Então engole. Engoli ?Eu to me acabando na tua cara?.
E se acabou mesmo, pra valer. ?Ah, putinha, há putinha…chupa tudo?. O pau de um uma última inchada, a cabeça cresceu. E explodiu. ?toma, toma, tomaaaaa? Veio um jato no céu da minha boca, farto, grosso, com muito leite. Tirei de dentro da boca e encostei nos meus lábios. Punhetei com força. Mais um jato que bateu no meu lábio e se depositou na minha face. ?Puta que pariu?, ele desabafou. E outra ejaculada que me fez um bigode, com boa parte me invadindo a boca e ficando nos meus dentes frontais. Punhetei mais. E aí veio o grand finale. Um risco de porra cobriu meu rosto, da testa ao queixo, se espalhou pela minha cara, algo impressionante. Ele pediu que eu continuasse a masturba-lo lentamente. Encostei a cabeça do pau na minha face e segui a ordem. E ainda pingaram gotas de esperma, já sem a mesma consistência, ralinha. Meu macho quase desmaiou. Foi uma acabada impressionante. ?me mostra o que tem na tua boca?, continuava a dar ordes. ?abre?. Abri. ?Engole?. Engoli. ?massageia o resto pela tua cara. Faz?. Fiz. ?pronto, podemos ir pra tua casa pra tu beijar teu namoradinho corno, chifrudo?. E fui. Deixou que me limpasse, é claro. Mas fui, cheirando aquela porra que também chegara ao meu cabelo. Terminei meu namoro naquela noite, embora vez que outra eu ainda não resista a uma boa transa com meu ex. Quanto ao Leozinho, descobri que era casado. E, sempre que vem a cidade não resisto a levar ordens, pau na boca, pau na buceta e até meu anelzinho ele já experimentou.

via Ao mundo dos Desejo

A virgem Safadinha


A Virgem Safadinha

Imagem

Oii, meu nome é Luana, agora tenho 15 anos, mais a história aconteceu quando eu tinha apenas 13 anos. Desde nova eu já estava namorando em casa, meu namorado se chamava Gabriel. Mais por sinal, eu não gostava muito dele. Eu comentava com ele sobre a nossa primeira vez, mais ele não era tão empolgado como eu no assunto. E eu que tinha um corpão de mulher, e ainda virgem, não via a hora de dar Minha xana. Cheguei a comentar isso com minha colega, e ela tinha me falado que o primo dela era muito afim de conhecer. Ele tinha 19 anos. Falei para ela que eu gostaria muito de conhecer ele… Até depois um tempo, conseguimos marcar de nos encontrar (Mais tudo tinha que ser escondido, porque eu tinha namorado, e ele sabia disso). Fui até o lugar combinado, e saímos de carro. Ficamos conversando em uma lanchonete de outra cidade, Depois de um bom tempo de conversa, começamos a nos beijar… Saímos novamente e fomos para um lugar mais isolado. Dentro do carro, ele começou me beijar, fazer caricias. De repente foi me subindo um tesão imenso, e ele percebia só de olhar na minha cara, foi ai q ele começou a chupar meus peitos, e eu louca de tesão desabotoei sua calça e peguei na rola q já estava dura, comecei a masturbá-lo. Ele levantou meu vestido e começou a lamber minha xana q já estava toda molhadinha de tanto tesão, e eu gemia, e fazia uma cara de safada pra ele… Eu sempre tive muita vontade de fazer uma chupeta, e não demorou muito pra ele me pedir pra chupar sua rola. Fui com maior gosto, e comecei chupar aquela delicia, parecia q eu estava até com fome, do jeito q eu o chupava, e ele também dava vários gemidos… Ele tinha me perguntado se eu queria ir pra um motel, mais eu queria q fosse ali dentro do carro, pra ser uma coisa bem mais interessante. Então continuamos ali mesmo. Ele voltou a lamber minha xana. Não estava mais agüentando ficar só naquilo… Eu me levantei e me sentei em cima dele, coloquei levemente sua rola enorme eu minha xana, no q não doeu muito, foi uma sensação maravilhosa, comecei a cavalgar naquele cacete, e eu gemia mais não parava… Pedi para que ele me desse tapas no meu bumbum (um lindo bumbum com 102cm), e cada vez os tapas iam ficando mais fortes no q me dava muito mais tesão. Foi ai q ele me disse q ia gozar, deixei ele gozar dentro de mim, no que tudo aquilo foi uma delicia. Hoje estamos namorando, e ele realiza todos as minhas fantasias… Finalmente consegui arranjar o namorado perfeito! Espero que tenham gostado da minha primeira vez!

via> Ao mundo dos Desejos 

 

MENAGE À TROIS


Imagem

Vamos falar de um fetiche muito comum entre os casais. Muitos tem vontade, outros apenas curiosidade mas poucos tem a coragem de fazer e assumir que gostam. Você já deve ter ouvido falar em “Menage à trois”,uma expressão de origem francesa cujo significado original denominava um domicílio habitado por três pessoas em vez de um casal. Sua tradução literal é “moradia a três”. Atualmente é usada para designar relacionamentos sexuais a três pessoas, sendo uma das fantasias sexuais mais comuns entre homens e mulheres.

Mas, apesar de quase todos nós já termos fantasiado sexo a três ou em grupo, transformar o sonho em realidade é algo bem diferente, pois isto requer, acima de tudo, muita segurança emocional e cumplicidade entre as partes. Se não houver amor ou paixão no meio, a história é outra, esquece tudo o que falei. Mas estou falando de pessoas emocionalmente envolvidas, onde o sentimento de posse geralmente atrapalha numa relação dessas.  Assim como é excitante entrar neste mundo estranho e proibido, transar com duas pessoas diferentes (sendo que uma delas é seu próprio sexo) traz consigo a sombra do ciúme, quebra de confiança e a paranóia de o parceiro ser secretamente preferido  a outra pessoa. Visto por este ponto, três na cama é um negócio arriscado. Os casais que se amam geralmente tem dificuldade de ver seus parceiros com outra pessoa e o prazer físico diminui por causa das emoções fortes e negativas que este tipo de relação proporciona. A maioria é muito ciumenta quanto a relacionamentos e parceiros, então não estão acostumados a dividir. Por isso é necessário uma estrutura emocional muito forte para superar as possíveis consequências depois desta experiência.

Menage as vezes aparece como uma solução natural para aquele casal mais liberal que está “entediado” um com o outro, mas que não quer se separar nem apelar para a traição, então prefere investir na fantasia mais polêmica de todas. Fazer isso na frente do parceiro não vai parecer traição e muitos imaginam a terceira pessoa apenas como um adicional agradável em vez de uma ameaça. Você tem diante de si a pessoa que gosta e outra que vai lhe proporcionar apenas prazer..e também a deliciosa sensação de ser desejada por dois ao mesmo tempo.

Alguns ficam excitados com a idéia de assistir a outro homem fazendo amor com sua parceira (ela é uma criatura com apetite sexual tão intenso que você sozinho não consegue satisfazê-la – esse é o pensamento) ou vice-versa: assistir outra mulher transando com seu parceiro. Não é de se surpreender que algumas pessoas transportem tal fantasia para a vida real. É uma fetiche exibicionista que geralmente envolve admiração dos outros por você. Você realiza um bom show e o expectador fica com inveja de suas habilidades sexuais, querendo desesperadamente ser a pessoa com quem você está fazendo amor. É uma fantasia para satisfazer seu ego.

Antes de decidir experimentar, a questão a ser resolvida é interna. Pergunte-se:

– Eu me sinto realmente à vontade para fazer sexo com outra pessoa além do meu parceiro?

– Meu relacionamento é emocionalmente estável para entrar neste grau de intimidade e parceria?

– Quem seria a terceira pessoa? É alguém de sua confiança ou fora do seu círculo social?

Como um casal, pensem e se perguntem se têm habilidade suficiente para se comunicar, resolver futuros problemas e negociar para depois encarar esta experiência. A escolha do terceiro parceiro também deve ser de comum acordo para não haver surpresas desagradáveis logo adiante. Tudo deve ser combinado e o casal deve estabelecer suas próprias regras.

Também devemos lembrar de um detalhe importantissimo: É preciso que as pessoas quando praticam o sexo envolvendo a penetração de mais de um parceiro sejam cuidadosas para trocarem de preservativo. O mesmo preservativo masculino utilizado na penetração de uma pessoa não pode ser utilizado na outra. E, por este motivo, é recomendável o uso do preservativo feminino, sendo que o uso de dois preservativos, por si só, não protegem o elemento passivo da relação.

fontes: Wikipedia e Tracey Cox.

15 dicas para transar escondidinho


Quem teve uma namorada(o) enquanto ainda morava com os pais sabe bem como é fazer certas coisa escondidos, medo de ser pego e adrenalina. Mas para quem está querendo se aventurar e aproveitar para transar até quando está em casa, algumas regras devem ser sempre seguidas caso não queira ter um espectador inesperado.

Só porquê está na casa dos seus pais, não quer dizer que você deva parar de querer fazer sexo quando está passando o final de semana com a namorada. Existem algumas variáveis a mais na equação e tudo precisa ser feito com cautela, mas sexo escondido pode ser bem emocionante. Seguem algumas dicas para seus pais nem suspeitarem das suas taradisses.

1 – Esteja preparado, mas não muito
Leve camisinha. Mesmo se seus pais tiverem, você não vai pedir né. Esqueça os brinquedos sexuais e lubrificante, o cachorro ou crianças não sabem a diferença desses tipos de brinquedo pra os brinquedos deles além de ficar sempre fuçando tudo.

2 – Shhh
Sexo silencioso pode ser bom! Dá pra variar da rotina sem muito esforço, só tentando não fazer barulho.

3 – Sabe o que é melhor que sexo silencioso? Sexo silencioso e rapidinho
Se você está com a namorada, ou namorado, no seu quarto, provavelmente você tem pouco mais que 10 minutos até sua mãe perguntar se você quer que ela faça torradas ou sanduíche. Então, vamos, rápido…

4 – O som relaxante da água caindo…
A água do chuveiro vai fazer mais barulho que vocês se a dica #2 for seguida, e se o banheiro for junto do seu quarto, chegar até lá não vai ser problema. Comece escovando os dentes, vá pro chuveiro depois, aja normalmente. Claro que ninguém vai lhe chatear lá e o que fizer no banheiro vai ser problema seu, a não ser que você via numa família bem estranha.
Mas cuidado, não tem como sair facilmente do banheiro sem ser pego no flagra se alguém desconfiar, ou for procurar sua namorada.

5 – “Mãe, a gente ta só assistindo um filme”
Abafe o barulho com o som de música ou filme, TV no quarto ajuda. Escolha alguma coisa que ninguém mais queira assistir. Saiba do que seus familiares não gostam e está tudo certo.

6 – De ladinho
Não só quando você ta cansado que essa posição é perfeita, se quiser ser discreto de ladinho é a melhor escolha. Deitado com a namorada, como se estivesse descansando ou dormindo. E ainda é fácil de disfarçar caso alguém decida aparecer.

7 – Evite o sofá que range
Você sabe, aquele sofá ou cama que não para de ranger só de alguém chegar perto, está fora de cogitação.

8 – Ta de babá
Está em casa só com um irmão pequeno para cuidar? Bebês não vão ligar se você sair de perto por uns 15, ou 20 minutos, nem têm a capacidade comunicativa para te dedurar depois. Se tiver outro irmão/irmã na casa, torça para que ele também queira uma noite romântica com o respectivo par e saia com os mesmos motivos que você. Mas, por favor, bom senso, procure um quarto separado de qualquer indivíduo, independente da idade.

9 – Sexo no carro
Justamente como você queria quando estava no colégio (mesmo se ainda estiver)! Pra quem já pode dirigir, uma saída para “comprar” alguma coisa já serve de desculpa.

10 – De manhãzinha, beeem cedo
Ajuste o alarme, se não for acordar mais ninguém, pra acordar antes de todo mundo, tenha em mente que isso é bem cedo mesmo, por volta de 4:00 AM. Se quiser usar a variação dessa dica, também pode esperar todo mundo dormir. Ainda dá pra voltar a dormir depois.

11 – À la Cirarelli
Uma caminhada na praia é sempre bom, melhor ainda se tiver com a namorada. Seguindo os ensinamentos públicos da Cicarelli, ache uma praia isolada, ou quase isso e dê um mergulho.

12 – Toda casa tem seu ponto cego
Sótão, garagem, quarto de tralha, ou até no jardim, toda casa tem um lugarzinho escondido de todo mundo e dependendo de onde for, dá pra inventar uma história do tipo, “mãe vou ali mostrar a Juanita minha coleção antiga de bolas de gude”.Imagem

13 – Vamos “todos” assistir ao jogo
Paciência, sempre aparece boas oportunidade pra dar uma escapada quanto todos estão fixos e atentos na televisão, em dia de jogo do Brasil, no último episódio da novela, ou mesmo num filme muito bom (alugado por você, claro).

14 – Família de boa e em consenso
Mesmo em famílias mais tranquilas no quesito sexo, você vai precisar de um pouco de coragem antes de perguntar a primeira vez sobre o assunto. Mas, se você tiver tal coragem e vontade, simplesmente pergunte para seus pais se está tudo bem pra eles se você transar em casa. Suponho que você vá perguntar ao pai se você for homem e a sua mãe se você for mulher, é o mais lógico a se fazer. Mas lembre, você vai perder muitas oportunidades de liberar a adrenalina com um bom sexo escondido, por trás da porta do quarto de hóspedes, enquanto sua mãe vai tomar banho.

15 – E se você for pego?
Ai fudeu. Haha, Vamo lá, você correu o risco por conta própria, sabia que isso iria acontecer. Mas admita, valeu a pena né? Então se componha (leia-se, se vista) e seja mais cauteloso da próxima vez.

6 tipos de homens que todas devemos experimentar


Imagem

 

1. O artista
Se você trabalha em horário comercial num escritório, é bem provável que o romance com um artista tenha um gostinho de novidade, de aventura. Ele representa a liberdade que a sua mesa organizadinha não proporciona. O fato de se tornar a musa dele também é um estímulo à vaidade. Além disso, ele pode encorajá-la a cultivar dons artísticos e brindá-la com uma criatividade incrível entre os lençóis.

2. O maduro
Se está acostumada a sair com garotos que se divertem com piadas racistas ou escatológicas, a companhia de alguém maduro soa estimulante. Ele certamente terá um olhar mais atencioso sobre suas angústias juvenis e para seu deleite, saberá ensinar a você um ou dois truques na cama e na vida. Além disso, a diferença de idade confere ao romance uma certa aura sexual proibida.

3. O inexperiente
Além do “equipamento” do rapaz ser zero quilômetro, ele está ansioso por aprender a usá-lo. E cabe a você a prazerosa tarefa de ensinar tudinho, ser sua professora que ele se lembrará para sempre. Jovens amantes fazem uma mulher se sentir atraente e expert em sexo. E como você usufrui da posição de comando, o poder age como um forte elemento de tesão.

4. O Deus Grego
A vantagem de namorar um bonitão é óbvia: a beleza é um dos mais poderosos afrodisíacos. Muitas mulheres às vezes desprezam a importância da aparência de um homem, o que é uma bobagem, já que desfilar ao lado de um cara deslumbrante aumenta a autoconfiança (depende muito de seus gostos). Os olhos brilham, a pele fica mais bonita e todo mundo passa a achar que você tem um algo mais. O quê? Não importa. É algo interessante o suficiente para que ele fique ao seu lado.

5. O bad boy
Por que será que o sexo feminino aprecia tanto a sensação de andar fora da linha? Quando uma garota ainda está à procura de sua verdadeira personalidade, tentando descobrir quem é ela, um bad boy serve para ensiná-la a definir os próprios limites (e depois pular fora desse relacionamento). Se você mergulhar no seu cotidiano libertino (especialmente na cama), terá a chance de viver um romance verdadeiramente selvagem.

6. O roqueiro
Muitas das mulheres que habitam esse mundo rejeita os magrelos cabeludos e branquelos roqueiros que existem por ai. Mas esses caras, alguns até nerd, são muito bons de cama. Mesmo que não seja do seu estilo os caras são cultos, entendem melhor das coisas e sabem lidar com as mulheres. Não são todos, mas a maioria sabe como tratar uma mulher por ter uma filosofia diferente dos demais caras que vivem por ai.

06 tipos de mulher


A mulher fácil
Esse é o tipo de mulher que todas devemos pegar, pelo menos uma vez (depois pegar outras vezes). Pois ela além de já ter muita experiência também pode desafogar nossas necessidades quando estamos sozinhas. Esse é um tipo que serve para dar prazer e uma ótima pessoa para conseguir uma amizade com benefícios também. Para quem gosta de sexo sem compromisso essa é uma boa pedida

A popular
Pegar uma mulher popular é uma das melhores coisas para o ego. Todos ficaram sabendo que você pegou ela, pois uma mulher popular sempre tem sua vida bisbilhotadas por todas as pessoas e muitas fofocas rolam, assim todos ficam sabendo do que acontece com essa menina. Com isso todos descobrem que você pegou a tal garota e seu ego vai nas alturas com todos comentando sobre você e o fato de ter conseguido conquistar a menina mais popular da região.

A inexperiente
Uma das coisas mais legais é você poder ensinar as coisas do sexo para uma pessoas. Além do tesão que sentimos por sempre estar no comando da relação, ainda estamos em vantagem, pois ela terá muito fôlego já que não fez muitas vezes e ainda tem muita para dar. Outra coisa deliciosa fica por conta de ensinar as coisas como nós gostamos e com isso ela fará tudo da nossa maneira sabendo o que precisa para nos agradar na cama.

A madura
Com uma mulher madura o fato dela saber muitas coisas já é a vantagem obtida nessa relação, pois ela tem desejos e vontades, mas sabe como chegar direto ao ponto. O preparo físico geralmente não é tão bom quando dos jovens amantes, mas a possibilidade de aprender alguns truques é excitante. Geralmente depois de uma mulher madura, temos a possibilidade de experimentar com outras pessoas o que aprendemos e levar outras pessoas a loucura.

A gostosa
Pegar uma gostosa só faz bem ao ego. Além de poder contar para todos os amigos e amigas (mesmo que não acreditem, você sabe e pronto), o tesão na hora do sexo é extremamente grande. Pegar uma mulher gostosa preenche todas as suas fantasias, desejos e fetiches, pois com certeza você irá se doar muito para tentar dar prazer para aquele monumento que está ali na sua cama de às vezes nem você sabe porque ela está com ali. Portanto aproveite e lembre desse momento épico para sempre.

A dominadora
Deixar ser dominado por uma mulher que sabe o que fazer é uma das maiores experiências que uma pessoa pode ter. Não precisa fazer muita coisa, apenas seguir as ordens e ser totalmente submisso. Lógico que tudo tem limites, mas se deixar entregar em uma relação S/M ou qualquer tipo de relação que permeia esse meio é uma das experiências que pode fazer com que você nunca mais queira um sexo normal.

Imagem