Dez Mandamentos de uma Escrava.


Imagem

Dez Mandamentos de uma Escrava.

1. A escrava deve ter como objetivo máximo o bem-estar e a satisfação dos desejos e interesses do Dono, sejam de que natureza forem. Em caso algum a escrava colocará os seus interesses particulares à frente dos interesses do Dono, embora em muitas situações os interesses de ambos possam ser coincidentes.

2. A escrava deve ser para o seu Dono fonte inesgotável de prazer, alegria e descontração. Deve por isso cultivar a sua própria boa-disposição, riqueza interior e serenidade. Deve procurar aprender e manter-se atualizada. Deve também cuidar de si de forma a ter a melhor aparência possível, e manter uma boa saúde física e mental.

3. A escrava deve ter para o seu Dono totais disponibilidades físicas, mentais e emocionais. Deve arrumar a sua vida de maneira a poder responder de uma forma imediata e entusiasta a qualquer solicitação do Dono. Na Sua presença, tudo o resto é secundário, melhor ainda, esquecido. Na ausência do Dono, manterá uma postura irrepreensível, lembrando-se sempre a quem pertence.

4. A escrava deve seguir o seu Dono com devoção, onde quer que vá e o que quer que faça. Sempre ½ passo atrás, atenta e cúmplice.

5. A escrava deve empenhar-se em conhecer profundamente o Dono, os seus gostos e preferências. Saber o que Lhe agrada em cada momento e proporcioná-lo. Deve também erradicar da sua vida qualquer fator de desagrado.

6. A escrava deve ser leve, delicada, feminina. Deve aprender a suavidade dos gestos, a humildade do olhar e saber comportar-se em todos os momentos com graça e sensualidade.

7. A escrava é também objeto de prazer sexual do Dono. Como tal deverá estar sempre pronta a ser usada, em qualquer circunstância ou lugar, pelo Dono ou por quem este designar. Deve focar-se na satisfação dos prazeres do Dono como objetivo único. A sua própria satisfação, se a houver, será sempre opção do Dono e será sempre tomada como uma dádiva.

8. Como propriedade do Dono, a escrava deve esperar ser usada, abusada, esquecida, desejada, preterida, acarinhada, ignorada, escolhida, desprezada, sem que nada disso interfira na sua total entrega e dedicação ao Dono. Deve esperar ser castigada se o merecer, mas também se não o merecer ou compreender de imediato. E saber aceitar, oferecendo sem hesitação o seu corpo ao castigo.

9. A escrava deve ter tanto de reservada e discreta como de devassa, obscena, lasciva, ser um anjo e uma puta. E saber passar de um estado ao outro a um gesto ou olhar do Dono.

10. Por fim, a escrava deve ambicionar ser um prolongamento do Dono, mover-se ao Seu ritmo e ao Seu gosto, ser a Sua sombra e o Seu reflexo.

 

 

Uma coleira representa um compromisso


Imagem

 

Uma coleira representa um compromisso, uma relação de propriedade entre Submissa e Dono. Assemelha-se ao conceito de aliança baunilha, com a diferença que somente a escrava usa a coleira, para mostrar a todos a quem pertence. Uma coleira pode ser física ou virtual. Podem existir coleiras sociais ou de sessão. Como se convencionou escrever nicks (apelidos virtuais) de Donos em caixa alta (maiúscula) e de Escravas em caixa baixa (minúscula), as coleiras virtuais são geralmente assim escritas: “(nome da escrava)_NOME DO DOM, por exemplo: “(frigga)_SENHOR SANTOLLI.”
A coleira de sessão pode ser mais refinada ou ser essas de cachorro mesmo. No entanto, tendo em vista o preconceito social, não seria prudente alguém sair por aí com uma coleira de cachorro com o nome do Dono, então se criaram coleiras sociais, que são mais discretas; podem ser apenas colares com pingentes ou símbolos que remetam a lembrança constante do Dono e de que a Escrava que a porta a ele pertence. Não obstante se possa usar uma coleira em qualquer sessão, mesmo que seja uma sessão esporádica e sem intenção de manter-se uma relação duradoura — apenas como um fetiche ou para mostrar quem manda — é comum que os Senhores façam cenas de encoleiramento.

Fonte: Estilo BDSM.

Dica aos Dominadores


Imagem

Dicas aos Dominadores

O bom Dominador procura perceber que práticas dão mais prazer à Submissa e quais lhe tiram o tesão… Dá espaço para que ela fale de suas fantasias e de como ela vê uma relação desse tipo, ele também fala de suas fantasias, porque assim diminui o risco de ela embarcar em sonhos que não são compartilhados…

O Dominador tem sempre uma responsabilidade maior, porque depende muito dele que a relação seja prazerosa, satisfatória e segura.

Se estiver receoso ou pouco confortável com a situação, não vá adiante, uma atitude madura pode poupar uma série de frustrações.

Se achar que suas expectativas se completam com as dela, então vá em frente e esteja atento às qualidades a seguir:

* Autocontrole – A principal delas. Para ter controle sobre as situações planejadas ou inesperadas, é preciso que saiba controlar suas próprias atitudes;

* Criatividade – Não se contente em viver o dia a dia sempre da mesma forma. Estimule para descobrir o melhor na relação;

* Compassividade – Ouça e responda às necessidades da Submissa. É egoísmo agir como se o mundo girasse em torno de si;

* Técnica – Busque e desenvolva novas técnicas. Saiba como usar os acessórios e dominar as práticas. Teste o que deseja fazer em si antes de fazer com alguém. Evite causar danos físicos e morais à submissa, respeitando os limites dela;

* Consistência – Seja firme em suas ordens e cobranças. Diga qual é sua maneira de ser e aja de acordo com o que diz. Ser firme não é ser grosseiro ou sem educação;

* Respeito – respeite a si e aos outros;

* Comunicação – Comunique-se com clareza. Escolha as palavras e o tom de voz, esse cuidado pode determinar o sucesso em qualquer situação;

* Dedicação – Dominar não tem nada a ver com vida fácil e, na maioria das vezes, dá mais trabalho que estar do outro lado.

Dominador chamou a sua atenção: cuidado!


Imagem

Dominador chamou a sua atenção: cuidado! 

Depois da decisão de viver a fantasia é preciso “sair a campo” e logo aparecerão os primeiros contatos, quando conhecer alguém que chame a sua atenção de alguma forma é hora de INVESTIGAR! 

Há alguns anos atrás, no meio SM essa era uma tarefa bem mais complicada, os contatos eram feitos por cartas e demorava muito o retorno; sair do imaginário para a realidade eram raros os casos de sucesso. 

No entanto, hoje tudo se tornou mais simples com as inovações da tecnologia virtual, na internet existe um grande número de recursos e possibilidades para aproximar as pessoas: grupos de discussão, sites de relacionamento, redes sociais, grupos organizados nas grandes cidades, festas temáticas e tantas outras comunidades virtuais voltadas para vivências BDSM. Portanto, INFORME-SE!

Existe sempre aquela tendência íntima de pensar:

“Comigo vai ser diferente, deu errado com outra pessoa porque ela não foi tão cuidadosa quanto deveria…”

E você se garante que será.

CUIDE-SE!

A seguir apresento alguns indicativos que devem servir de alerta para que a submissa fique atenta e não entre numa canoa furada:

a) O dominador tem muitos anos de experiência no assunto, mas ninguém ouviu falar dele – vale a pena redobrar a atenção nesse caso;

b) O indivíduo diz ser uma figura pública e por isso não diz nada sobre sua vida pessoal, mas exige que você se exponha para ele. Sendo ele uma referência importante, terá tempo de dedicar a um relacionamento SM com você?

c) Caso você tome conhecimento de algo de errado que aconteceu entre o dominador e outra submissa, contado por ele mesmo ou por outra pessoa, procure conhecer outras versões sobre o assunto. É mais difícil várias pessoas faltarem com a verdade do que uma só;

d) Transparência é a alma do negócio, existem dominadores casados que omitem o estado civil para “conquistar” a submissa com mais facilidade. Nada o impede de ser casado e ter submissas, mas sem mentiras, isso só leva ao desgaste e o fim da relação SM. Da mesma forma o dominador que omite gostar de ter mais de uma submissa, as mantém ao mesmo tempo em segredo e o final é sempre confusão;

e) Dominador que logo de cara começa dar ordens sem conhecer a submissa, sem diálogo, com palavras agressivas e impositivas é sinônimo de insegurança e inexperiência, ou até mesmo de má intenção;

f) Existem também os dominadores que prometem muito, constroem verdadeiros contos de fadas e usam de um discurso retórico eloquente e influenciável, principalmente com moças sem experiências, ou carentes de atenção e cuidado.

Não se esqueçam de que em toda Comunidade existem pessoas boas e com bons propósitos, mas também muitas pessoas mal intencionadas e de índole ruim. Cabe a submissa iniciante ficar atenta, observar, não agir por impulso, não acreditar no óbvio. Assim, não deixar que o prazer se transforme num pesadelo, ou minimamente numa bela dor de cabeça. Pense!

 

Regras e simbologia


Imagem

Regras e Simbologia 

Como na sociedade, o BDSM tem suas regras, rituais e símbolos preestabelecidos. A diferença é que aqui as regras são criadas entre as partes, sempre em busca do prazer mais intenso. 

As regras determinam como deve ser o comportamento de uma submissa ou escrava diante de seu Dominador e até onde este pode ir nos jogos, cenas ou sessões. Os rituais são as formas como as tarefas e as punições são executadas, basicamente, são condutas que devem ser seguidas, na maioria das vezes pela escrava ou submissa. 

Os símbolos, também previamente acertados, como coleiras (virtuais ou não), contratos de escravidão e outros, são usados para acentuar ainda mais, a posse da escrava, e criar um clima que contribua para aumentar sensação de que a vida da escrava pertence aos caprichos e vontades de seu dominador.

Muitas vezes os submissos e escravos iniciantes, quer seja pela dificuldade de encontrar um dono, ou por ansiedade, costumam aceitar todas as regras estabelecidas pelo dominador. O importante, nessa situação, é se observar que tudo aquilo que for construído/estabelecido deve sempre estar de acordo, e dentro dos limites de cada um, pois o que é válido, emocionante e dá prazer a um, a outro pode não fazer sentido algum.

Lembre-se: Dominação e submissão é, acima de tudo, uma relação de respeito e cumplicidade.

Submissa Gordinha


Imagem

Para as submissas gordinhas:

Teve um assunto rolando por ai, estes dias
sobre submissas gordinhas..
O tema surgiu, depois que um DOM, desistiu 
de uma sub, com a qual negociava a meses, pq no
momento do ao vivo, ela era bem mais gorda 
que as suas fotos mostravam. Ele contou isso a uma sub,
que revoltada, levou o assunto a diante. As pessoas
diziam que ele era um fake, em busca de sexo fácil.
Minha opnião é a seguinte: 
Qnto a submissas gordinhas ou não, isso não tem 
nada a ver, peso, condições financeiras, beleza, 
isso tudo é bobagem, as pessoas so querem ser felizes,
e ninguem escolhe como vai nascer, como vai ser, 
a gente vive como pode, e e o que é. o que faz uma 
mulher ser gostosa, vai alem do corpo. E a submissão
é maior que tudo isso!!!

Minha opnião qnto a ele ser fake, em busca de sexo facil:
Acho super válido um dom querer uma sub magra,
cada um com seu gosto, com suas fantasias, não acho
que isso faça dele um fake em busca de sexo facil,
mas que ele veja bem, antes de ir se dizendo dono de alguem, 
pq sentimentos não se brinca, não se ofende uma pessoa, 
não deve iludir ninguem,isso é errado. escolhas não. 
O que faz de um dom fake é a falta
de sabedoria e tecnica. Mais uma vez entra a questão respeito,
etica e postura.
Claro que a submissa tem q se cuidar, ser vaidosa, delicada e feminina,
mesmo sendo gorda ou não. gordura não faz com que a mulher
deixe de ser sensual, feminina, delicada, desde que ela não perca a sua vaidade,
não deixe de se cuidar. E se o DONO gosta, como sei que muitas vão dizer, 
melhor ainda ne!

 

Quem é …. e quem não é do meio !!


Imagem

 

Quem e e quem nao e do “meio”:

Não tem como saber, mesmo por que nem todo mundo,
sente a necessidade de provar quem são.
Existem muitas e muitas pessoas, bem resolvidas com sua vida, pessoal,
sexual, profissional, e não sentem, nem precisam de sair por ai provando isso ou aquilo.

Muitos gostam de contestar, será que fulano é do meio?

Que meio? existem tantos meios na questão “fetiche” e “BDSM”.

De norte a sul, existem milhares de praticantes, que desconhecem a sigla.
Eles não pertencem ao meio?

Existem milhares de pessoas, que ainda não aceitaram as suas patologias,
suas preferencias, perversões, desejos sexuais, carnais, etc, que conhecem
tudo sobre o assunto, graças a inclusão digital, mas nunca praticaram.
Essas pessoas não pertencem ao meio?

As festas são muito legais, os encontros, e claro que todo praticante ou
simpatizante, tem a vontade de frequentar, mas nem sempre, tem uma festa ou reunião por perto,
ou possibilidades pra uma viagem a outro estado ou país…
Isso faz com que essa pessoa não seja do meio?

Existem mulheres que apanham do marido, são submissas ao extremo dentro de
casa com eles, e não os denunciam, nem se separam, não pq
não têm escolhas, mas pq no fundo delas, isso as dão prazer.
Elas gostam dessa vida. E são criticadas pelas amigas, pelos 
familiares, taxadas como “mulher de malandro”, “sem vergonha”
e aguentam, e se afastam das pessoas, pq preferem a sua vida conjugal…
Essas mulheres não pertencem ao meio?

E os homens, que pagam preço alto, por prostitutas, que possam
inverte-los, onde eles possam vestir a lingerie delas, e se sentirem
no lugar delas…
Esses homens não pertencem ao meio?

E a adolescente que marca a sua pele, com um arame em forma de estrela,
esquentado no fogo, sem anestesia, pra homenagear a namoradinha
lésbica que faz dela o que ela quer…
Tbm não pertence ao meio?

Os gays que adoram ser humilhados por homens fortes, másculos,
e que pedem imploram pra apanhar, pra que mijem na sua cara,
e saem dali como se nada tivesse acontecido, e seguem a sua vida
normalmente…
tbm não pertencem ao meio?

Pessoas que ja viveram o Sm intensamente,
fizeram todas as práticas que foram capazes, e hoje,
optaram por viver outra vida, deram um tempo,
escolheram ser simplesmente vanilla…
Tbm não fazem parte do meio?

Pessoas que já nasceram com esses “desejos”
são diferentes dos que os desenvolveram com o tempo,
e as circunstâncias, ou acontecimentos?

Então pensem bem antes de contestar se alguém é ou não é,
pq a sigla é só uma sigla de identificação, e as teorias, apenas explicações
ensinamentos, ajuda á compreensão dos mais confusos.
O que manda mesmo é a vida individual. O que acontece dentro
da pessoa, e o que ela faz, sente, escolheu pra viver.

Tem pessoas que não se expõem em sites, e que praticam muito mais,
que muitos que diz ser e estar a anos, e blá blá blá.
Tem pessoas que sabem mais na prática, e deixa as teorias
para os incapazes.
Viver ainda é melhor que ler, ainda que se leia muito e muito.